Problema de Visão

- Que vê? Está a fazer uma cara tão estranha!?
- Vejo como nunca vi antes! Sinto-me um falcão! Nunca vi tão nítido e com tanta profundidade, na verdadeira plenitude da tridimensionalidade. Ao avançar ou recuar sinto a paisagem a movimentar-se, centímetro a centímetro, como se cada camada do horizonte estivesse assente em painéis deslizantes. Impressionante como o mundo parece estar vivo agora que estou ciente de todas as sobreposições e dimensões dos edifícios, das montanhas, das árvores, até das nuvens! Meu Deus, olhar a paisagem desta forma é como o descascar de uma cebola em que cada camada emana esplendor e não ardor.
- Mas e antes? Como via?
- Antes? Antes apenas via borrões coloridos. Vivia ofuscado por um mundo esférico, desfocado, disforme, onde apenas variava a dimensão e intensidade de cada elemento. Apenas conseguia definir-me a mim, fosse por olhar o meu corpo, fosse por reflexo num espelho.
- Pelo que descreve parecia ter uma cegueira iluminada. Via mas nada de entendível. Sempre foi assim?
- Não. Mais tarde comecei a ver com clareza aquilo que estava à distância de dois metros. Tudo o resto parecia um mero papel de parede que decorava o fundo do meu mundo.
- E neste momento apercebe-se de tudo?
- Sim, agora vejo com clareza toda a panorâmica e sem exagero até ao ponto em que se denota a curvatura da terra lá longe, lá muito longe.
- A curvatura da terra!?
- Sim, juro que consigo distinguir o horizonte a passar de um plano rectilíneo para um plano curvo. É uma visão impressionante. O meu cérebro fervilha com toda a informação enviada pelos meus olhos!
- Hum... nesse caso é melhor experimentar estas lentes com a graduação ligeiramente diferente. Porque ver assim tão bem é anormal e o que pretendemos é que tenha uma visão normal.

0 comentários:

Enviar um comentário

Olá... estou-te a ver! Podes falar mal ou falar bem mas com juizinho sff! Beijinho e/ou Abraço

Escrito de Fresco porquê?

Há quem me tome por incontinente verbal mas a verdade é que a minha língua não tem débito suficiente para o turbilhão de pensamentos que me assolam a mente a todo o momento. Alguns engraçados, outros desgraçados, mas vários merecedores desta lapidação digital para a posteridade e, quem sabe, para a eternidade. Os escritos aqui presentes surgiram do nada e significam aquilo que quiseres. Não os escrevi para mim mas sim para ti. Enjoy
Ocorreu um erro neste dispositivo

Seguidores