2010/05/06 - Era uma mas às duas por três eram quatro

Era uma, mas às duas por três já lá iam quatro horas à espera não sei bem do quê.

É típico. Começa-se sem se saber como, alimenta-se de um certo limbo onde se esconde tudo do amanhã e do depois, até chegar ao ponto em que nos perguntamos se já está na hora de ir embora.

Um fim sem começo com muito meio pelo meio.

Felizmente é recorrente. Qualquer faísca liga a corrente. Se era uma, mas às duas por três eram quatro, agora já não sei quantas são.

E muito sinceramente quem as está a contar?

0 comentários:

Enviar um comentário

Olá... estou-te a ver! Podes falar mal ou falar bem mas com juizinho sff! Beijinho e/ou Abraço

Escrito de Fresco porquê?

Há quem me tome por incontinente verbal mas a verdade é que a minha língua não tem débito suficiente para o turbilhão de pensamentos que me assolam a mente a todo o momento. Alguns engraçados, outros desgraçados, mas vários merecedores desta lapidação digital para a posteridade e, quem sabe, para a eternidade. Os escritos aqui presentes surgiram do nada e significam aquilo que quiseres. Não os escrevi para mim mas sim para ti. Enjoy
Ocorreu um erro neste dispositivo

Seguidores